Gentileza gera gentileza

Ele me disse: "Nossa, quantas pessoas legais!" 
Eu respondi: "É, quem tem boca 'vai à' Roma!"

Mas a história a seguir não é sobre dar ou conseguir informação, e sim sobre solidariedade.

gentileza

Estava eu hoje em Campinas, na fila para entrar num ônibus circular da cidade, quando vi um senhor tentando adentrar-se no ônibus, porém fora da fila. Na minha vez, dei permissão para ele passar, mas ele educadamente agradeceu e recusou-se. Ao entrar no ônibus me enrolei toda até tirar o dinheiro da bolsa, e à esta altura o senhor já havia entrado, e o vi perguntar ao motorista se o ônibus passaria próximo a uma rua “X”. Como o motorista não soube responder, eu me prontifiquei de procurar no GPS do meu celular (lê-se Google Maps, rsrs), e também aproveitei para pedir ao motorista para me informar quando chegasse na rua em que eu precisava ir.

Atravessei a catraca, sentei-me ao lado do senhor, e eis que começou a mágica: Um moço que sentou à nossa frente perguntou os endereços de ambos, e enquanto isso eu procurava no meu celular. Ele informou que na rua em que eu iria existem três pontos de ônibus, então pediu-me uma referência para facilitar a localização, e eu não tinha. Mas, a esta altura, já tinha um casal de senhores ao nosso lado nos dando dicas e tentando identificar a referência que o senhor havia fornecido, e então duas mulheres desconhecidas entre si também conversavam sobre nossos endereços. Em poucos minutos, vi o ônibus inteiro tentando nos ajudar. Um ligando para um amigo para perguntar se ele sabia onde ficava a tal referência, eu olhando no GPS os endereços, e a turma toda trocando informações a respeito.

Descobri que meu endereço e o do senhor eram bem próximos, então desceríamos no mesmo ponto. Então a equipe identificou o melhor ponto para descermos, duas pessoas nos informaram que deveríamos descer em um ponto após o deles e uma outra senhora disse que iria para a mesma rua que eu, então desceríamos os três juntos.

Descemos, e quando vi, estava eu dividindo meu guarda-chuva com a senhora, e o senhor veio logo atrás de nós, tomando uma chuva fina, apenas. Foi tudo muito rápido, ele seguiu para o destino dele, logo depois a senhora também seguiu o dela, e quando eu me vi sozinha, dei de cara com uma placa na parede de um bar, que dizia:

GENTILEZA GERA GENTILEZA

É. Acho que foi isso. Problemas simples foram resolvidos com atitudes simples, mas que tiveram grande significado para mim. Percebi que um ajudando o outro contagiou todo aquele lugar, e me vi em volta de pessoas solidárias e sorridentes, que prestaram informações e gastaram seus tempos conosco, sem nenhum de nós nunca termos nos visto, e principalmente, sem esperar nada em troca.

E na volta do meu compromisso encontrei a mesma senhora no ponto de ônibus (com quem eu havia dividido meu guarda-chuva), bem no ponto que ela havia me indicado, e fizemos o trajeto de volta compartilhando de uma conversa pausada, mas agradável. Não me senti incomodada com as histórias que ela me contou, e tão pouco com o silêncio que pairou entre uma história e outra (falta de assunto costuma incomodar as pessoas). Pegamos trânsito. Nem liguei.

Ahh, e quando cheguei em casa procurei na internet alguma informação sobre o tal bar com a mensagem que marcou meu dia, e apesar de não ter encontrado o que eu queria, encontrei isso aqui, que me deixou ainda mais feliz e surpresa com a atitude dos Campineiros. Vale a pena ler:

http://correio.rac.com.br/_conteudo/2014/11/ig_paulista/223237-campinas-tem-dia-para-celebrar-a-gentileza.html

Agradeci a cada um deles pelo lindo gesto, e agradeço também a você por ter reservado um minuto do seu tempo para ler sobre o meu dia. Achei que deveria compartilhar o dia feliz que tive, para quem sabe, contagiar mais alguém.

O dia foi cheio de acontecimentos, fiz coisas importantes e tive muitos aprendizados. E agora, além de poder dizer de boca cheia que gentileza gera gentileza, também posso dizer que felicidade às vezes é feita das coisas mais simples.

Kayte Araújo

Advertisements